Conheça as compras públicas na Coreia do Sul

O governo compra exclusivamente de micro e pequenas empresas

Kaist, uma Universidade da Coreia do Sul está realizando um evento de cooperação técnica internacional, com representantes da Colômbia, da Rússia, Estados Unidos, Costa Rica, Brasil e de vários países asiáticos.

Florencia Ferrer, socióloga e Pós-doutora em Governo Eletrônico, vem trabalhando de forma pioneira com inovação para o setor público, ajudando o primeiro escalão do governo da América Latina a repensar o Estado, foi convidada pela universidade para representar o Brasil na Coreia do Sul.

“Tenho trabalhado em várias ocasiões com os presidentes, ministros, governadores e secretários de Estado na reformulação de políticas públicas desde o planejamento até os resultados do monitoramento. Também trabalhei com várias organizações internacionais, com destaque para a OEA, BID e do Banco Mundial”.

Nesse evento os representantes estão sendo levados para conhecer de perto várias áreas de atuação do governo Coreano e Florencia contou, em entrevista exclusiva, como são feitas as compras públicas pelos coreanos:

Qual o objetivo da missão?

Florencia Ferrer - Elaboração de acordos de cooperação técnica Coreia - América Latina

Quem do Brasil está participando?

Florencia Ferrer - De fato, do governo brasileiro não tem ninguém. Eu fui convidada como key note speaker e estou participando de uma serie de reuniões com diferentes entidades do governo nacional para aprender com suas inovações, elaborar acordos de cooperação e receber cooperação técnica. Tem representantes da Colômbia, da Rússia, dos Estados Unidos, da Costa Rica e de vários países asiáticos. O evento é organizado por uma das Universidades que tem um centro de cooperação internacional

Por que a Coreia?

Florencia Ferrer  - Porque eles conseguiram um milagre de crescimento, de saída da pobreza e de construção de um pais igualitário, justo e extremamente desenvolvido em menos de 50 anos. Em 1950 os indicadores da Coreia eram bem piores que os da America Latina. Saíram de sucessivas ocupações e guerras. E conseguiram um verdadeiro milagre econômico e social. 

Como são feitas as compras públicas na Coreia? 

Florencia Ferrer  - De forma totalmente centralizada. Venho defendendo isto para Brasil e América Latina. 

Public Procurement Service: é a agencia de abastecimento e compras públicas. É uma agencia centralizada para o país todo. 1.000 pessoas cuidam de todo o processo, desde o planejamento da compra, a catalogação, a licitação, a gestão de contratos, de pagamentos e de contratos. Como o foco é o desenvolvimento econômico, compram exclusivamente de micro e pequenas empresas. Com as grandes somente fazem PPP. Além disso, como o país é pobre em recursos minerais, esta agência compra commodities em bons momentos de preços do mercado internacional, e geram estoque para depois vender no mercado local. Desde a demanda até o pagamento, o processo todo leva 50 dias. Tem sistema de compra por catálogo, similar a Amazon.com que facilita e agiliza a compra em todo o território. Conversamos sobre usar nossa metodologia BINPS para medir o resultado econômico de toda esta inovação.

Quais as novidades/inovações na área das compras públicas?

Florencia Ferrer-

  1. Centralizado total
  2. Compra somente de micro e pequenas empresas. o foco da compra pública é o desenvolvimento econômico e nao somente comprar mais barato. Com as grandes empresas fazem PPP. 
  3. O processo integral, desde o planejamento até a gestão de contratos, estoques e pagamento é feito por agência. 

O que está vendo de diferente do Brasil nesta área?

Florencia Ferrer - Tudo! As compras públicas no Brasil estão em uma paralise!  A crise fiscal faz que não haja dinheiro para custeio ou investimento, os estados brasileiros praticamente são pagadores de folhas de pagamento. A compra publica está engessada e se foca em menor preço, não em melhor preço.  Apesar dos esforços, ainda temos muita descentralização, o que faz que os governos não saibam ao certo quanto e como estão comprando. 

Quais áreas do governo Coreano estão sendo visitadas?

Florencia Ferrer - A agenda é extensa. Hoje vou visitar agricultura e agroindústria. Mas ontem tive umas 10 reuniões. Vou visitar agora o interior da Coréia, e as granjas verticais. 

Que acordos o Brasil pretende celebrar? 

Florencia Ferrer - Eu levarei várias propostas, para Brasil e para América Latina. Mas os governos têm que querer inovar! 

 

Complementos

Universidade Kaist

> Visualizar

Comentários

Nenhum comentário até o momento